Benazzi e o Ano da Portuguesa

Por Danilo Vital 

Na noite de terça feira eu passava pela Av. Paulista e ouvi alguns gritos que saiam de dentro de um bar. Tratava-se de um sujeito, que reconheci da Cásper, torcedor fiel da Portuguesa de Desportos. O placar da partida marcava 1 a 0 para o Coritiba e o torcedor sofria, pois bastava um empate para a Lusa garantir seu retorno à Série A1 do Brasileirão.

  No final, o bom time do Coritiba carimbou sua vitória com mais um gol e deixou a Lusa na torcida pelos resultados negativos das equipes concorrentes. Criciúma, Marília e Fortaleza foram derrotados, o que tornou o 5° colocado (Brasiliense) incapaz de alcançar a Lusa.

Pela 11° vez o treinador Wagner Benazzi garante o acesso de sua equipe comandada. Depois de São Carlense, União Barbarense, Lemense, Portuguesa Santista e Gama, entre outros, o técnico levando a Lusa de volta à elite do futebol nacional.  

Benazzi assumiu a Lusa ano passado, com um time enfraquecido e ameaçado pelo rebaixamento, ocupando posição perigosa no Brasileirão da Série B. O trabalho começou salvando o time da ameaça. Já nesse ano, com a equipe mais entrosada e contando com alguns reforços, acabou campeão da Série A2 do Paulistão, fazendo com que a rodada da última terça feira consagrasse o segundo acesso do ano para o treinador e para a Portuguesa.

É claro que não foi um trajeto fácil até o atual ponto. Quem acompanha a Série B sabe que se trata de um campeonato muito disputado e extremamente imprevisível. Durante as 36 rodadas pode-se ver, por exemplo, um Criciúma hegemônico cair da liderança isolada e chegar a pífia 9° colocação, enquanto o Marília, punido com decréscimo de 6 pontos e candidato ao rebaixamento, alcançou o 3° lugar em determinada altura do campeonato.

Mesmo a Lusa foi extremamente irregular. Permaneceu parte da competição estagnada nas colocações medianas da tabela, lutando para melhorar seu desempenho. Porém, vacilos como a derrota para o fraco Ituano, por 1 a 0, no início do campeonato ou a mais recente derrota para o modesto CRB não ofuscam o brilho de resultados como o 6 a 2 no Barueri ou o sofrido 3 a 2 no Vitória.

Enfim, a Lusa volta para o lugar que lhe é direito: a elite do futebol nacional. Que venham tempos ainda melhores, como em 1995, quando conseguiu chegar à final do Campeonato Brasileiro, apesar da derrota para o Grêmio. Com a Portuguesa voltam também clubes de história, como os já citados Coritiba e Vitória, e a surpresa Ipatinga. O Brasileirão 2008 agradece.


About this entry