E Deus Disse: “Faça-se a bola”

Por Alessandro Jodar

Sinal da cruz antes de entrar em campo, marcar gol e apontar o céu, santinha no vestiário para dar sorte… São vários os exemplos que comprovam como a religião e as crenças populares são intrínsecas ao dia-a-dia do futebol. Trata-se de uma relação tão simbiótica que chega a extrapolar o limite das quatro linhas e abarca desde a torcida aos dirigentes. Dizem que “a voz do povo é a voz de Deus”, pois ele deve adorar uma pelada.

Uma das práticas que mais me intriga é a oração na porta do vestiário. É sempre assim: pouco antes de entrar em campo todos se reúnem, entrelaçam braços e ombros, o capitão do time ou alguém de influência no elenco dá aquela palavra de incentivo e todos juntos rezam o Pai Nosso ou Ave Maria. Aí começa a partida, é pontapé aqui, cotovelada acolá, palavrão, mãe de um que não sei o quê, filho da outra que não sei o quê lá, enfim, o diabo! Mas a oração antes não pode faltar! E não há nenhum problema nisso, o calor do jogo justifica e redime todos os pecados.

E se no jogo se peca, no jogo se diviniza. Que o digam os goleiros, a maior prova disso. “São” Marcos, por exemplo, foi canonizado após sua excepcional atuação na Libertadores de 99, em que o Palmeiras foi o campeão e ele o melhor da competição. Felipe, o atual goleiro do Corinthians, já ganhou fama de milagreiro. Uns mais, outros menos, todo goleiro tem em si um pouco de santo. Se quantificarmos apenas os milagres por eles realizados, Frei Galvão certamente tem concorrência.

Mas não é só a santos que o futebol da à luz, Maradona, por exemplo, é deus. Pois é, uma bela metáfora, não? Não, muito mais. Isso é, pelo menos para cerca de 400 argentinos que fazem parte da chamada “Igreja Maradoniana da Mão de Deus” – uma alusão ao gol de mão do craque na Copa de 86, contra a Inglaterra. O fanatismo dos “fiéis” é tamanho, a ponto de reunirem-se para comemorar o Natal-Maradona. O equivalente ao Natal cristão, com uma ligeira mudança: a celebração é feita no dia de aniversário de Maradona. Em 2007, os seguidores brindarão o ano 47 D.D. (acredite, Depois de Diego).

Um pouco mais sérios do que os maradonianos, maradonistas, maradonólicos, maradonantes, ou seja lá como se autodenominam, os “Atletas de Cristo” (ADC) são uma organização de atletas evangélicos fundada em 1984. “Nossa MISSÃO é levar o atleta a Jesus Cristo a fim de levar o Evangelho ao mundo através do atleta”, consta no site oficial. Apesar de grande parte dos membros serem futebolistas, a organização é aberta a qualquer atleta, desde que evangélico, obviamente. Kaká, Marcelinho Carioca e Müller são algumas celebridades que fazem parte da ADC. Muitos acusam seus membros de serem um tanto radicais e, nesse sentido, Amauri Knevitz, atual técnico do São Caetano e integrante da ADC, foi epicentro de polêmica. Antes de desembarcar no Azulão, ele fora acusado de dar preferência a jogadores de sua religião na hora de definir escalações.

Falando de radicalismo, o caso de Ademir Knevitz não é nada se comparado a uma rivalidade que é tida por muitos como a maior do mundo. Milan x Inter? Real x Barça? Boca x River? Nada disso, estamos falando de Celtic x Rangers, ou Rangers x Celtic, para não causar confusão, porque com esses dois a coisa é feia! É natural que qualquer um estranhe o fato de se apontar a rivalidade de dois times escoceses, cuja projeção internacional é praticamente irrelevante, como a maior de todas. Porém, um jogo entre eles envolve dois dos três assuntos que, em tese, não se discute: futebol e… bom, não precisa nem dizer, não é mesmo? A Escócia é historicamente palco de uma disputa entre católicos e protestantes que já gerou muita morte e sofrimento. Hoje, o confronto dá lugar a pernas e a peleja é dentro das quatro linhas. O Celtic é o time dos católicos e o Rangers, dos protestantes. Num jogo desses, seja o que Deus quiser.

Por fim (Sim! Já está acabando, corajoso leitor!), e as superstições? Usar a cueca da sorte no dia do clássico, colocar a bandeira em cima da tevê, fazer promessa, reza brava, macumba… Vale tudo! Reza a lenda que certa vez, durante a seca corintiana das décadas de 50, 60 e 70, alguém falou a Vicente Matheus, folclórico dirigente do clube, que havia um sapo enterrado atrás de um dos gols do Parque SÃO Jorge. Diz-se que Matheus não pensou duas vezes e foi atrás do tal sapo. Se encontrou ou não, se é verdade ou lenda, não sei.

Aliás, se as superstições e mandingas funcionam, isso ninguém sabe. No entanto, todos conhecem aquela famigerada tese – que até já virou clichê – de que se macumba funcionasse, o campeonato baiano terminava empatado. Nossa, depois dessa, acho que já chega. Hoje, baixou o santo em mim.

______________________________________________________________________________________

Pitacos…

Palmeiras x Paraná
Após empatar fora de casa com o Santos, o Verdão vem confiante para o jogo contra o desesperado Paraná. Certamente um jogo de muita marcação, em que o Palmeiras não pode se dar ao luxo de perder, ou mesmo empatar, se realmente quiser a vaga na Libertadores. O mesmo vale para o Paraná se não quiser cair.
Palpite: Palmeiras

Náutico x Corinthians
Uma vitória pernambucana pode significar a firmação do time de Roberto Fernandes que, antes virtual rebaixado, reagiu e pode até beliscar uma vaga na Sul-americana. Já o Corinthians joga para sair da zona de rebaixamento. Jogo chave para ambos, especialmente para o alvinegro.
Palpite: Náutico

Figueirense x Santos
Buscando se manter na zona da Libertadores, o Santos vai a Florianópolis jogar contra um Figueirense sem muitas aspirações no campeonato, mas que vê de perto o fantasma do rebaixamento. Provavelmente, os santistas, cuja superioridade técnica é inquestionável, terão muita dificuldade para atravessar a retranca do Figueira.
Palpite: Santos

São Paulo x Cruzeiro
O São Paulo fez de tudo: perdeu, empatou, só faltou implorar para que o Cruzeiro encostasse. Mas os mineiros retribuíram o altruísmo tricolor e hoje a distância entre os dois é de 11 pontos. O São Paulo passa por um momento de turbulência e o Cruzeiro vem de um empate em casa contra o Náutico. Jogo nervoso e sem muita ousadia por parte das duas equipes. Ambas vão a campo com medo de perder.
Palpite: Empate

Para saber mais sobre a Igreja Maradoniana da Mão de Deus:
http://esportes.terra.com.br/interna/0,,OI298149-EI2260,00.html

Para saber mais sobre os Atletas de Cristo:
http://www.atletasdecristo.org/


About this entry