Passado X Presente

Em 1900 começava a jornada do clube que hoje conhecemos como São Paulo. Tudo começou com a fundação do Clube Atlético Paulistano que era considerado o “maioral” da época. Jogar contra esse time era um orgulho para seus adversários. Os jogos disputados eram da Liga Amadora e o clube não permitia que seus atletas se profissionalizassem. Então, preferiu-se acabar com o departamento de futebol a abandonar a Liga Amadora.

Os sócios do C.A.P. continuavam a alimentar a paixão pelo esporte e o mesmo problema tinha feito a Associação alvinegra Atlética das Palmeiras fechar os portões. A solução veio com a união dos clubes. O Atlético Paulistano entrou com jogadores e as cores vermelho e branco e a A.A. Palmeiras, que só tem o nome do hoje inimigo do SPFC, cedeu o branco e o negro. Assim surgiu o São Paulo da Floresta.

Em 1930 o clube foi vice-campeão e no ano seguinte recebeu seu primeiro troféu. Em 33 o time esteve presente na primeira partida de futebol profissional do Brasil e ganho do Santos por 5 x 1.

Devido a problemas financeiros, o São Paulo da Floresta se viu obrigado a se fundir com o Tietê. Sofreu com a determinação de não se usar cores, uniformes e vários outros símbolos do antigo clube. Em 14 de maio de 1935, dia da extinção oficial do São Paulo da Floresta, a paixão já havia se tornado amor e os sócios mantiveram a entidade viva. Em 4 de junho do mesmo ano era fundado o Clube Atlético São Paulo que, em 16 de dezembro, se tornaria São Paulo Futebol Clube.

Enquanto isso, no bairro do Bom Retiro em setembro de 1910, nascia o Sport Club Corinthians Paulista. Por volta das 20:30 da noite de 1º de setembro de 1910, cinco operários estavam reunidos na esquina da Rua dos Italianos com a Rua José Paulino a espera do bonde para voltar para casa e tiveram a idéia de criar uma equipe de futebol. O nome só seria dado depois, inspirado no time inglês Corinthian Casuals, que estava de passagem no Brasil para uma série de amistosos. Na capital paulista, jogou  contra o A.A. das Palmeiras, ganhando por 5×0. Joaquim Ambrósio, um dos cinco operários, sugeriu o nome que disputou  com outros nomes como Santos Dumont e Carlos Gomes, mas foi o escolhido.

A princípio era formado pelos 5 operários e mais oito amigos que, depois de uma semana, já tinham comprado a primeira bola e alugado um lugar para os treinos. O local era um terreno alugado na Rua José Paulino e foi ele que cediou o primeiro treino em 14 de setembro.

Porém, em 1910 o futebol ainda era um esporte das elites e poucos eram os times reconhecidos. Entre eles estavam o Clube Atlético Paulistano, o São Paulo Athletic e a AA das Palmeiras. As classes sociais menos providas praticavam o esporte nos chamados times de várzea.

Até 1913, o Corinthians era mais um desses times de várzea, mas devido ao sucesso tentou uma vaga na Liga Paulista de Futebol. Foi aceito e virou o quarto dos chamados “três mosqueteiros” (Americano, Germânia e Internacional). Se tornou o “D´Artagnan” e vem daí o mascote Corinthiano. Em relação às cores, no início as camisas eram creme com punhos pretos semelhantes as do clube inglês, mas com a lavagem o creme foi se tornando branco e acabou substituindo a cor anterior.

Não se pode negar o quão importante são esses dois clubes para a história do futebol no Brasil. Entretanto, hoje a situação entre eles é bem diferente. Um está no topo da tabela e o outro luta para sair do fim desta. O que não se pode negar é a incrível história dos confrontos desses dois times.

Nas partidas disputadas por confronto direto, o time alvinegro está em vantagem. São 104 vitórias do Corinthians contra 88 do São Paulo. Quando se fala em disputas por classificação ou título, o branco e preto também se sobrepõe ao tricolor. São 10 vitórias contra 6. Porém, fazem mais de 4 anos que o Corinthians não mostra sua superioridade e o São Paulo criou um tabu de 12 jogos sem perder para o Timão.

Hoje, às 16 horas, mais um capítulo dessa história será escrito. O que será mais forte? A superioridade nos números ou o tabu? A história ou o presente? O topo ou o fim da tabela? Eu, como corinthiana roxa, espero que não só se acrescente mais um número na história das vitórias corinthianas sobre o tricolor, mas que também sejam somados 3 pontos na pontuação do Timão e que o presente se torne passado o mais rápido possível.

Por Fernanda Amalfi – Fefi


About this entry