Futebol Espetáculo

Muito se fala sobre a falta de interesse do torcedor em ir aos estádios prestigiar seus clubes queridos, e quase sempre essa reflexão recai no problema da segurança nos estádios, ou melhor, da falta de segurança.

Embora esse seja um problema gravíssimo e, sem dúvida alguma, é dotado de grande parcela de culpa no que diz respeito à falta de público nos campos de futebol, acho que se deve também ponderar o aspecto técnico do esporte praticado dentro das quatro linhas.

Penso que nós, torcedores, admiradores, comentaristas e, além disso, praticantes de futebol, somos demasiadamente complacentes com a qualidade do futebol praticado por nossos atletas.

É bastante comum que em uma pelada entre amigos no sábado à tarde, fulano erre um passe, um lançamento, uma finalização. É comum, já que somos nada mais do que amadores, não treinamos diariamente nossos fundamentos e capacidade física. Não somos remunerados, aliás, geralmente até pagamos para jogar nosso futebol em quadras alugadas.

Mas ao futebolista profissional? – não que ele tenha que ser perfeito, preciso em 100% de seus passes e chutes a gol. É que acho um absurdo o fato de vermos em campos profissionais da primeira divisão do nosso futebol, jogadores que erram passes de 3 metros para companheiros desmarcados ou finalizações grotescas que por muitas vezes superam os limites do estádio.

Pergunte ao Bernardinho se é permitido aos seus comandados que eles errem uma defesa fácil ou um passe simples. Duvido muito. Eles treinam exaustivamente os aspectos táticos, técnicos e físicos, para que os erros sejam minimizados durante uma partida. Não vejo comportamento semelhante no futebol.

Poucos treinadores exigem o máximo de seus atletas nos fundamentos básicos. “São boleiros, oras, sabem o que fazem com a bola no pé” – imagino que pensem, dada a maneira como agem.

Além do êxodo de atletas, assunto que podemos tratar em outra oportunidade, vejo a preguiça e o desleixo do jogador de futebol em não se aprimorar e querem simplesmente que seu dom natural garanta sua presença em campo e a vitória de seu time.

Sinto que para voltar a ver o Morumbi – ou tantos outros estádios pelo Brasil afora – cheio com um jogo do Brasileirão, deve-se analisar o produto futebol como espetáculo, ou seja, sua beleza plástica – que, aliás, é a grande razão que motiva a paixão do torcedor. São os dribles, os belos lançamentos, boas triangulações e, é claro, os golaços. Se fôssemos ao estádio sabendo que veríamos grandes jogos com chuva de gols, e não esse futebol amarrado, competitivo e burocrático, creio que veríamos grandes públicos cantando em estádios abarrotados.

por Fernando Mendes


About this entry