Curso de Jornalismo Esportivo da Revista Cult.

Sexta foi dia de festinha. Acordar no sábado às 7 da manhã não foi a tarefa mais fácil do mundo. Mas o motivo era empolgante: Um dia inteiro de curso sobre Jornalismo Esportivo, realizado pela Revista Cult.

As 09h20min eu estava no número 70 da Praça Santo Agostinho. A primeira palestra estava programada para as 10 horas. Uma grande expectativa tomou conta de mim, pois desde os tempos de Cartão Verde da TV Cultura eu admirava a figura jornalística de Juca Kfouri. Bom, os 40 minutos de atraso não foram motivo de condenação…

A palestra do Juca foi boa. Ele falou das diferenças de mídias. De sua carreira na Folha de SP, SBT, TV Globo, Rádio CBN e no Blog da Folha. Falou por exemplo, que ao mudar do SBT para a “Toda Poderosa”, foi obrigado a fazer muitas sessões de fonoaudióloga e apenas após 30 pilotos pôde entrar no ar no Jornal da Globo. Fora que teve que se enquadrar no “Padrão Clean”, cortando os compridos cabelos encaracolados. Segundo Juca, o Blog é a coisa que mais lhe dá trabalho no jornalismo.

Sim, eu esperava mais da palestra de Juca. Por ser o ícone que ele é, faltaram mais dicas e relatos de sua carreira. Mas o dia estava só começando…

Soninha entrou no auditório com um belo sorriso. Suas primeiras palavras foram sobre preconceito. Existe, e segundo ela, o estranhamento é natural: “É como você contratar alguém para consertar a máquina de lavar e chegar uma mulher em sua casa”. É um ambiente acostumado com homens, e as mulheres estão chegando para dividir o espaço. O problema é que um erro ou uma interpretação que gere discordância por parte de pessoas que tem o “pé atrás”, causa um condenamento em bloco: “Essas mulheres não sabem nada de futebol”.

Soninha sempre foi aficionada por futebol, mas começou no meio numa emergência. Na véspera da gravação de estréia de mais um RockGol, houve um choque entre a patrocinadora da MTV (Budweiser) e a dos Sobrinhos do Ataíde (Skol). Ela assumiu a bronca, fez a narração e depois acabou participando como convidada de algumas mesas redondas. Após um convite de Trajano, ela ficou fixa na Espn e mais tarde ganharia uma coluna na Folha de SP.

Questões como a de Ana Paula de Oliveira e sobre a Capa da Época que a trouxe dizendo “Eu fumo maconha” foram debatidos. Foi uma grande palestra. A jornalista mostrou que manja muito do que fala, que tem muita personalidade e que consegue se sobrepor no meio dos machos. Ela não ganhou todo esse espaço por ser mulher, pois se chamasse Soninho teria o mesmo sucesso. Ela é o que é pela sua competência.

Hora do almoço. Saindo da sala encontro PVC. Resolvi conversar com ele. Perguntei como ele tinha tanta noção tática. “Observação e apuração. Quando vejo uma movimentação no time do Botafogo, pego o telefone e pergunto ao Cuca se vi certo.” Na seqüência, disse que era da Cásper e que tinha aula com o Celso Unzelte. “Sou padrinho de casamento dele”, comentou empolgado. Apresentei para ele o projeto do Domínio da Bola e cogitei uma entrevista. “Claro, anote o telefone da redação e o meu e-mail”.

Voltando da padaria onde comi um PF a R$5,50 com um pessoal da Metodista, começa a palestra do PVC. Ele lembra o Celso no jeito empolgado de responder as coisas. Falou sobre o Circo Debate Bola, sobre a perigosa relação de laços com as fontes e quando questionado sobre sua memória excepcional disse “Eu arquivo coisas”. Talvez este seja o segredo para a nossa profissão. Grande palestra. PVC tem muito a passar e com certeza será um dos nossos futuros entrevistados.

A última palestra foi do ex-jogador Caio; hoje comentarista da Sportv e Rádio Globo. Falou muito do São Paulo Futebol Clube (onde seu pai é conselheiro vitalício), muito sobre Telê Santana (seu primeiro treinador) e muito também sobre bastidores do futebol. Diferente dos discursos inaproveitáveis de jogadores de futebol, Caio falou claramente sobre variados assuntos. Antes do projeto de comentarista, Caio tinha como objetivo chegar a diretor de futebol. Faz faculdade de Gestão Esportiva na São Marcus, curso que mostra o outro lado do esporte.

Saldo do Sábado: Uma ótima conversa sobre futebol com profissionais que tinham muitas coisas para contar. Cada vez mais fascinado pelo Jornalismo Esportivo, me despeço de vocês. Grande Abraço.

por Marcelo Braga


About this entry